Sunday, 21 de July de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1297

Redação de jornal para em protesto contra reajuste pão com ovo

Jornalistas do O Povo, jornal mais antigo do Ceará, suspenderam os trabalhos, na tarde de 4 de fevereiro, para dizer um sonoro não ao “reajuste pão com ovo” oferecido pelos donos das maiores empresas de jornais e revistas do estado. Em protesto ao desrespeito patronal, que quer dar um “aumento” de R$ 4,26 por dia aos profissionais, a diretoria do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Ceará (Sindjorce) distribuiu o “Vale pão com ovo”, com direito a um copo de café. “Se for só isso, pode deixar que o próprio Sindjorce dá o reajuste aos trabalhadores”, ironizou a presidente do Sindjorce, Samira de Castro.

Os jornalistas empregados no O Povo, Diário do Nordeste e O Estado reivindicam um reajuste de 12,35%, o que significa 5% de ganho real. Mas os donos dos jornais oferecem 7,41%, um aumento de 1% acima da inflação. Os profissionais querem um piso de R$ 2.915,07, valor correspondente ao salário mínimo necessário do Dieese para o sustento de uma família de dois adultos e duas crianças. No entanto, as empresas oferecem um piso de R$ 1.855,82.

Traduzindo: os jornais querem pagar um salário de fome aos jornalistas do Ceará, com o agravante de que também negaram o vale refeição e toda a pauta de reivindicações da Campanha Salarial da categoria, que está com os salários congelados desde setembro do ano passado.

“Continuaremos mobilizados, realizando manifestações e protestos nas portas das empresas e espaços públicos de Fortaleza, até os donos de jornais apresentarem uma proposta digna para o fechamento da Campanha Salarial dos jornalistas”, afirma a presidente Samira de Castro.

Pauta de reivindicações

Piso salarial de R$ 2.915,07 – Negado

Reajuste linear de 12,35% – Negado

Cartão Alimentação de R $ 330,00 – Negado

Cursos de capacitação – Negados

Licença maternidade de 180 dias – Negada

Licença paternidade de 10 dias – Negada

Plano de saúde pago pela empresa – Negado

Vale Cultura de R$ 50,00 – Negado

Comissões de segurança nas Redações – Negadas

Equipamentos de Proteção Individual – Negados

Assessoria jurídica do jornal em caso de agressão – Negada

Direito do jornalista de recusar pautas de risco – Negado

******

Samira de Castro é jornalista