Wednesday, 06 de July de 2022 ISSN 1519-7670 - Ano 22 - nº 1195

O desafio da sobrevivência em um mundo tecnológico

“Quase sem perceber, adentramos um mundo onde nossa forma de ver a notícia não é ditada pelo que está na banca de jornal ou mesmo nos primeiros noticiários da manhã, mas pelo que vemos em nossos celulares através de outro filtro, cada vez mais através do Facebook”. A avaliação é da jornalista britânica Emily Bell, diretora do Centro TOW de Jornalismo Digital da Universidade de Columbia, em artigo no Guardian intitulado “Qual a relação correta entre as empresas de tecnologia e o jornalismo?”.

De fato, o número de pessoas que consomem notícias a partir das redes sociais aumentou bastante nos últimos anos. Em 2011, uma pesquisa do Pew Research Center constatou que apenas 11% dos norte-americanos se descreviam como consumidores de notícias em sites como Facebook ou Twitter. Já em 2014, 30% relataram receber as notícias principalmente pelo Facebook. Uma taxa de migração surpreendentemente veloz em apenas dois anos.

Poucos dias antes de seu artigo no Guardian, Emily havia apresentado aquele que pode ser o discurso mais definitivo sobre o futuro do jornalismo. Durante o Fórum Mundial de Editores, realizado em novembro no Instituto Reuters, em Oxford, ela desafiou jornalistas e editores a conferir poder às empresas de tecnologia, prestando contas publicamente e assumindo a liderança em inovação tecnológica no nicho de notícias para ajudar a formar uma “nova esfera pública”.

Ela reiterou em seu discurso que, embora as culturas de engenharia e jornalismo sejam muito diferentes – não buscam os mesmos resultados, não compartilham das mesmas motivações, nem das mesmas habilidades, e certamente nem do mesmo crescimento de receita e modelos –, hoje elas ocupam o mesmo espaço em termos de transmissão de notícias e discussão para um público amplo.

A tecnologia molda o noticiário

Emily observou que a própria discussão das notícias costuma se ater às redes sociais. O site de notícias de tecnologia Re/Code, por exemplo, já anunciou que iria parar de hospedar comentários em suas páginas, pois os comentários sobre as reportagens já estavam ocorrendo nas mídias sociais.

A jornalista então questiona: por que as empresas de mídia foram totalmente incapazes de criar plataformas sociais bem-sucedidas nos últimos 20 anos? Ela justifica que a ideia da publicação generalizada é uma espécie de maldição para a maioria das empresas de notícias. Os editores – os funcionários mais bem pagos e mais reverenciados do ramo – têm como função exatamente negar as partes ou a totalidade de uma ideia. E a própria ideia de construir deliberadamente algo onde qualquer um poderia publicar sua opinião sempre soou como assustadora e destruidora do jornalismo. Mas agora não há mais como recuar.

“A linguagem das notícias atualmente é moldada por protocolos de engenharia, e não por normas de redações. Se existe uma imprensa livre, os jornalistas já não estão no comando dela”, declarou Emily.

Ela diz que, agora, o foco muda, e o que vemos são redes sociais se perguntando como podem gerenciar o ramo de edição da melhor forma possível. “A resposta, claro, não está em reuniões contemplativas onde todos concordam com o chefe, mas na construção de um algoritmo que vai decidir ‘sobre suas preferências’ e fazer uma triagem das notícias e comentários que você deve ver”.

Ela ainda lembrou que plataformas de mídias sociais não têm qualquer interesse no negócio “complicado e caro” que é empregar jornalistas reais ou que tomam “decisões editoriais”. Mas declarou que, embora as soluções de triagem editorial do Vale do Silício possam ser consideradas melhores, mais fáceis e mais acessíveis, elas ainda são muito opacas, centralizadas e desregulamentadas para serem consideradas totalmente aceitáveis.

Emily demonstrou grande preocupação com a forma como as notícias são selecionadas nas redes sociais, principalmente no Facebook (e citou o estudo no qual o Facebook manipulou as emoções de seus usuários a fim de avaliar se mídias sociais geram algum tipo de “contágio emocional”). “O público em geral tem sido relativamente ignorante de como tais plataformas sociais íntimas podem estar sendo usadas”, alertou.

Propostas e soluções

Emily propõe que jornalistas e editores aprendam códigos de programação, e aprendam sobre o pensamento programático, para que assim sejam capazes de compreender o mundo no qual operam. Além disso, diz que executivos do ramo de notícias devem convocar fóruns sérios sobre arquivamento, moderação, exclusão, censura e envio de informações a respeito de seus usuários para as autoridades.

Surpreendentemente, a jornalista também revelou-se adepta da intervenção do presidente Barack Obama em favor da neutralidade da internet. Por fim, ela falou sobre a importância de cobrir a tecnologia como uma questão política e de direitos humanos, como se fôssemos o Parlamento, parando de fazer notícias sobre “as filas para se comprar um iPhone” e escrevendo mais sobre sua relação com o poder e a sociedade.

E concluiu: “Não creio que seja viável para o jornalismo ter um relacionamento completamente contraditório com as empresas de tecnologia, mas também creio que é absolutamente imperativo que exista uma esfera pública, da qual o jornalismo faça parte, que não seja totalmente dependente delas.”

Leia também

Resumo do discurso de Emily Bell