Friday, 19 de July de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1297

NY Times bate recorde de prêmios

O PULITZER DO TERRORISMO

Os ataques terroristas de 11 de setembro roubaram a cena do Prêmio Pulitzer 2002, o mais importante do jornalismo americano: oito dos 14 ganhadores têm relação com o tema. O New York Times foi o destaque absoluto, faturando sete títulos, seis sobre os ataques ? o recorde para um mesmo jornal era de três prêmios. Seu caderno especial A Nation challenged (uma nação desafiada) venceu a categoria Serviço Público. Lançado após a destruição do World Trade Center, o caderno misturou notícias locais e internacionais. Depois do Times, os jornais com mais prêmios foram Los Angeles Times e Washington Post, cada um com dois.

Cada prêmio corresponde a um cheque de US$ 7.500, com exceção da categoria Serviço Público, que rende medalha de ouro para o jornal. A comissão do Pulitzer ? concedido anualmente pela Universidade de Colúmbia ? homenageou a equipe do Wall Street Journal na categoria Últimas Notícias, pela cobertura realizada sob grande dificuldade: o jornal funcionava no World Financial Center, bem perto do WTC, e foi seriamente afetado pelo desabamento das torres. Mesmo desalojada, a redação produziu uma boa edição no dia seguinte ao desastre.

Na categoria Reportagem Investigativa, três repórteres do Washington Post venceram com a série que expôs o papel do serviço social do Distrito de Colúmbia (DC) nas mortes de 229 crianças sob sua proteção. Esta série era originalmente finalista da categoria Serviço Público, mas acabou em Reportagem Investigativa por força da maioria dos votos da comissão. Outra finalista desta categoria era a controvertida série do Seattle Times sobre o Centro de Pesquisa de Câncer Fred Hutchinson, que provocou áspera briga do diário com o Wall Street Journal [ver matéria a respeito nesta edição]. No Pulitzer, o Seattle Times saiu perdendo.

A equipe do New York Times venceu na categoria Reportagem de Profundidade, pela cobertura, anterior e posterior ao 11 de setembro, da rede internacional do terrorismo. Em Cobertura Diária, Gretchen Morgenson, do New York Times, venceu por seu trabalho em Wall Street, que os juízes consideraram "agudo e incisivo".

O prêmio na categoria Reportagem Nacional coube à equipe do Washington Post, pela amplitude na cobertura da guerra ao terrorismo. Em Reportagem Internacional, Barry Bearak, do New York Times, venceu pelo que a comissão considerou uma "cobertura profundamente comovente e esclarecedora do dia-a-dia no Afeganistão devastado pela guerra". O Times levou os dois prêmios de fotografia: pelas imagens do impacto dos ataques em Nova York e as da "crônica da dor e da perseverança dos povos do Afeganistão e do Paquistão".

Em Opinião, o vencedor foi o veterano Thomas Friedman, do New York Times, por suas colunas sobre o impacto da ameaça terrorista no mundo. Barry Siegel, do Los Angeles Times, venceu em Feature, pelo retrato "humano" de um pai julgado por negligência na morte do filho e a incomum ligação do juiz com o caso. O prêmio de Crítica foi para Justin Davidson, do interiorano Newsday, pela cobertura de música clássica.

Em Texto Editorial venceram Alex Raksin e Bob Sipchen, do Los Angeles Times, pela reportagem sobre doentes mentais sem-teto. Em Charge o premiado foi Clay Bennett, do Christian Science Monitor.

A lista de prêmios


Serviço Público ? The New York Times pelo caderno "A Nation Challenged"

Últimas Notícias ? Equipe do Wall Street Journal pela cobertura dos ataques terroristas

Reportagem de Profundidade ? Equipe do New York Times pelo perfil do terrorismo global

Cobertura diária ? The New York Times, Gretchen Morgenson, pela cobertura de Wall Street

Reportagem Investigativa ? The Washington Post, Sari Horwitz, Scott Higham e Sarah Cohen, pela série sobre o serviço social infantil do Distrito de Colúmbia

Reportagem Nacional ? Equipe do Washington Post pela cobertura da Guerra ao terrorismo

Reportagem Internacional ? The New York Times, Barry Bearak, pela pela cobertura do dia-a-dia no Afeganistão

Feature ? Los Angeles Times, Barry Siegel, pela cobertura do julgamento de um pai negligente

Opinião ? The New York Times, Thomas Friedman

Crítica ? Newsday, de Melville, estado de Nova York, Justin Davidson, pela cobertura de música clássica

Texto Editorial ? Los Angeles Times, Alex Raksin e Bob Sipchen, pelo texto sobre os doentes mentais que vivem na rua

Charge ? The Christian Science Monitor, Clay Bennett

Fotografia Noticiosa ? Equipe do New York Times pela cobertura dos ataques

Fotografia de Feature ? Equipe do New York Times pela imagens dos afegãos e paquistaneses durante a guerra ao terrorismo


Para ver a lista dos vencedores em Literatura acesse o sítio <www.pulitzer.org/2002/2002.html>.