Thursday, 07 de July de 2022 ISSN 1519-7670 - Ano 22 - nº 1195

A América Latina e a crise russo-ucraniana

(Foto: Qimono/Pixabay)

A invasão russa na Ucrânia provocou reações e a mobilização da comunidade internacional. Se as reações da União Europeia e dos Estados Unidos são conhecidas, o que dizer da América Latina? Jean-Jacques Kourliandsky, diretor do Observatório da América Latina da Fundação Jean-Jaurès, decifra as diversas posições tomadas pelos países latino-americanos e analisa os “equilíbrios ambíguos”.

A América Latina não tem nada a dizer sobre a guerra da Rússia na Ucrânia? Sim, se você ler os jornais fora do subcontinente. Sim, se observarmos a inexistência deste subcontinente nos comunicados oficiais das chancelarias “ocidentais”. Os beligerantes, os poderosos deste mundo, monopolizaram o espaço editorial e as comunicações oficiais. Entretanto, as reações do Rio Grande à Terra do Fogo têm sido numerosas. Como então podemos interpretar o silêncio que lhes foi reservado? Estas declarações não tinham sentido, ou eram consideradas marginais desde o início?

A crise internacional aberta pela invasão russa da Ucrânia é uma grande crise. A paz e as instituições multilaterais que a garantiam até então foram violadas. A mídia “ocidental” concentrou seus comentários nos agressores, na Rússia e em seu aliado bielorrusso, e nos agredidos, na Ucrânia. Eles também falaram das reações dos EUA e da Europa, da Aliança Atlântica, das posições da China e, às vezes, da Índia. Pouco ou nada foi dito sobre o resto do mundo. A América Latina e seus países, embora representados no Conselho de Segurança da ONU (CSNU) por dois membros não permanentes, Brasil e México, dificilmente aparecem na agenda dos membros permanentes do CSNU e de seus meios de comunicação. No entanto, esta crise quebrou um código multilateral de resolução pacífica de conflitos construído após a Segunda Guerra Mundial, aplicável a todos os membros da ONU. A igualdade formal dos Estados, base da Carta das Nações Unidas, foi apagada por um deles membro dessa comunidade das nações. Silenciar a América Latina, composta de estados de envergadura modesta no cenário da diplomacia internacional, não valida paradoxalmente um padrão internacional baseado em poder e força militares, favorecido pelo agressor russo?

As soberanias latino-americanas têm sido historicamente vítimas de sua assimetria, tanto militar como econômica. Em nome de um “destino manifesto” [1] imposto pelos Estados Unidos no hemisfério ocidental, os estados latino-americanos foram vítimas de interferências nos séculos XIX e XX. O multilateralismo, as regras do direito internacional, foram os escudos defendidos consistentemente ao longo do século XX por países sem exércitos para protegê-los contra uma grande potência [2]. Ao longo do século XX, muitas vezes por iniciativa dos latino-americanos, tratados multilaterais e instituições intergovernamentais de escopo variável consagraram no mármore dos textos a preservação da soberania de todos os países, sejam eles grandes ou pequenos.

Ao intervir militarmente na Ucrânia, a Rússia, como os Estados Unidos num passado recente, apagou do mesmo modo, os mecanismos que protegem os Estados membros da Assembleia Geral da ONU. Em nome de um “destino manifesto” ao estilo russo, o mundo voltou ao estágio regressivo das relações de poder. Os pequenos Estados e potências regionais da América Latina, África e Ásia, comprometidos com a preservação do multilateralismo, são assim forçados a improvisar respostas às pressões de “destinos manifestos” opostos, com base em sua assimetria.

Uma capacidade de resposta da América Latina eivada de reservas

Os poucos comentários publicados sobre a atitude da América Latina disseram respeito apenas aos votos dados junto aos organismos internacionais por um ou outro de seus representantes. Estes votos, além do pouco interesse que receberam da “comunidade internacional” [3] e seus meios de comunicação, são, no entanto, de interesse. Acompanhados de explicações, eles fornecem um retrato da situação da diplomacia latino-americana.

A qualidade dos votos emitidos em fóruns internacionais pela América Latina sobre a crise russo-ucraniana mostra a existência e o alcance de um mal-estar. O Conselho Permanente da OEA (Organização dos Estados Americanos) tomou uma posição em 25 de fevereiro de 2022. O Conselho de Segurança (CSNU) se reuniu nessa mesma data. A Assembleia Geral da ONU (UNGA) tomou uma decisão em 2 de março de 2022. O Conselho de Direitos Humanos (CDH) realizou um debate de emergência em 4 de março de 2022. Em todos os quatro casos, o objetivo era julgar a invasão da Rússia.

Dezenove Estados latino-americanos são membros da OEA, assim como são membros das Nações Unidas. O Brasil e o México são membros não permanentes do Conselho de Segurança, uma importante instituição decisória com quinze componentes. Oito latino-americanos representam o subcontinente no seio do CDH, que conta com 47 membros.

Os votos foram distribuídos em uma paleta muito aberta, indo muito além da impressão inicial deixada por uma leitura compartimentada dos resultados. Em 25 de fevereiro de 2022, treze latino-americanos votaram na OEA a favor da resolução que condenava a Rússia [4]. Seis não aderiram à condenação: Argentina, Bolívia, Brasil, Nicarágua, El Salvador e Uruguai (que retificaram sua votação em 27 de fevereiro). Em 2 de março, na UNGA, Bolívia, Cuba, Nicarágua e El Salvador se abstiveram de condenar a Rússia. A Venezuela (governo de Nicolas Maduro) não participou da votação. Os outros catorze países latino-americanos aprovaram a resolução. 

Os quatro que se abstiveram votaram com a China e a Índia. Os quatorze ficaram com os Estados Unidos, os europeus e o Japão. Nenhum se juntou à minoria de cinco Estados que rejeitaram o texto [5]. Em 2 de março de 2022, o Brasil e o México confirmaram a posição crítica em relação à Rússia, que haviam assumido no Conselho de Segurança em 25 de fevereiro [6]. Em 4 de março de 2022, a resolução do CDH, que solicitava a criação de uma comissão de inquérito sobre a situação dos direitos humanos na Ucrânia resultante da agressão russa, foi votada por cinco países latino-americanos [7]. Três se abstiveram [8].

As abstenções, assim como os votos positivos, e o afastamento venezuelano, no entanto, estão longe de dar uma imagem precisa dos sentimentos das várias partes. Somente um exame das declarações de voto e das declarações públicas feitas desde o início das hostilidades pela Federação Russa dará uma imagem mais precisa da posição dos 19 países latino-americanos. Antes de 2 de março de 2022, e com base nas declarações feitas, a distribuição das posições não era exatamente o que se esperaria de um exame apenas das cédulas. Havia cerca de quatro “campos”: o dos “amigos” da Rússia; o dos “amigos” da Ucrânia; o dos defensores do direito internacional; e o dos “egocêntricos”, que favoreciam um interesse particular em relação à expressão de uma condenação da Rússia ou apoio à Ucrânia. 

No círculo de amigos da Rússia, havia e há Bolívia, Cuba, Nicarágua, El Salvador e Venezuela. No segundo círculo estão Colômbia, Chile, Costa Rica, Equador e Panamá. Em seguida, no grupo de defensores da lei, Argentina, México – um membro não permanente do CSNU. E finalmente, com os egocêntricos, o Brasil, outro membro não permanente do Conselho de Segurança, a República Dominicana, mas também a Argentina e o México.

Estes perímetros, no entanto, não permaneceram à prova d’água. Alguns governos mudaram de uma posição para outra, ou até mesmo utilizaram vários argumentos “ao mesmo tempo”. O Brasil e o México, membros não permanentes do CSNU, reagiram com plasticidade bastante variável.

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro, por exemplo, fez uma viagem oficial a Moscou nos primeiros dias da crise, em 15 de fevereiro de 2022. Nessa ocasião, ele sinalizou a prioridade que deu à manutenção das relações agro comerciais entre o Brasil e a Rússia, e garantiu que Vladimir Putin era um homem de paz. Entretanto, contra todas as expectativas, o Brasil condenou a Rússia em 2 de março de 2022. O México, por sua vez, lembrou a sua doutrina tradicional, a recusa de qualquer interferência e violação da soberania de um Estado por outro. Condenou, portanto, a invasão russa da Ucrânia em 2 de março de 2022. Mas, mais uma vez inesperadamente, Andrés Manuel Lopez Obrador, seu presidente, recusou-se a acompanhar esta censura diplomática com a participação nas sanções decididas pelos países que desejam dar um seguimento concreto à expressão de sua condenação.

Os amigos da Rússia são países que há vários anos estão sujeitos a sanções econômicas e comerciais por parte dos Estados Unidos, no caso de Cuba, e dos Estados Unidos e da União Europeia, para a Nicarágua e a Venezuela. A Rússia, diante das conclusões que podem ser tiradas da crise cubana de 1962, oferece-lhes, na ausência de uma alternativa econômica e financeira, um guarda-chuva militar protetor. Nos últimos anos, unidades militares russas visitaram esses países. O caso da Bolívia é diferente. A mudança de maioria, através das urnas, após uma crise de vários meses, trouxe de volta ao poder o partido MAS, Movimento para o Socialismo. Este governo pretende desenvolver os seus recursos de gás e petróleo nas melhores condições possíveis. Para isso, La Paz relançou a disputa territorial entre ela e o Chile. A procura de acesso ao mar remonta ao final do século XIX. Ter um porto totalmente soberano permitiria à Bolívia exportar seu gás e petróleo da melhor forma possível. O Ministro das Relações Exteriores da Bolívia recebeu apoio da Rússia em 22 de outubro de 2021. Os dois países assinaram um acordo de cooperação energética em 22 de fevereiro de 2022. É nesse contexto que o ex-presidente boliviano, Evo Morales, líder do MAS, expressou seu entendimento pela Rússia. Em suas palavras, “os Estados Unidos, que causaram milhões de mortes em Hiroshima e Nagasaki, com o Plano Condor na América Latina e com o intervencionismo da OTAN […] ameaçam fazer a Rússia pagar um preço alto por defender sua continuidade como Estado soberano […] [9]. Deve-se notar, apesar de tudo, que Bolívia, Cuba, Nicarágua e Venezuela se abstiveram. Nenhum votou contra a resolução condenando a invasão russa.

Os amigos da Ucrânia também são os Estados Unidos e a OTAN. A Colômbia é o único país latino-americano associado à Aliança Atlântica. A sua condenação da invasão e a expressão da sua solidariedade com a Ucrânia foram claramente expressas. Não obstante, notamos a expressão de reservas quanto ao alcance deste compromisso. A Colômbia esclareceu que era associada da OTAN, e não membro pleno, e que, portanto, não estava preocupada com a solidariedade militar automática prevista no artigo 5º do tratado. Equador, Guatemala, Honduras, Panamá e Paraguai prestaram apoio à Ucrânia.

Os defensores do direito internacional são os mais numerosos. Eles incluem todos os países mencionados acima, assim como a Argentina, Chile, Peru e Uruguai. Mas cada um deles acompanhou seu voto com expectativas diferentes. Ou eles não nomeiam o agressor russo, ou às vezes seu apoio ao direito internacional vai de mãos dadas com um lembrete da interferência dos EUA, que é apresentado como semelhante. Algumas vezes, como no caso dos dois membros não permanentes do Conselho de Segurança, Brasil e México, forças do subcontinente, eles se recusam a sancionar o agressor russo.

Os “egocêntricos”, o último grupo, são aqueles países que priorizam tratar das consequências econômicas do conflito na Ucrânia desencadeado pela Rússia. Essa preocupação foi particularmente notada pelo Chile e pelo México. A República Dominicana realizou um conselho especial de ministros em 24 de fevereiro de 2022, o primeiro dia da guerra, para tratar desta questão, e quase todos eles expressaram suas preocupações sobre este assunto.

Uma ambiguidade expressa por todos os latino-americanos

Além da diversidade de suas posições, pró ou anti, os Estados latino-americanos têm sido coletivamente ambíguos. Eles têm demonstrado uma atitude de equilíbrio diplomático, misturando referências à lei, condenações e evasivas. Os governos latino-americanos praticaram a arte do “ao mesmo tempo”. De fato, eles foram quase unânimes quando se tratou de expressar a condenação da violação do direito internacional. Mas esta reverência compartilhada pelo direito internacional foi acompanhada por posições às vezes favoráveis à Rússia para uma minoria, enquanto uma maioria apoiou a Ucrânia. A ambiguidade era universal, expressa em nuances, fazendo convergir as declarações de alguns e de outros para um denominador comum de prudência diplomática. A avaliação anterior é dirigida àqueles que apoiaram a Rússia sem chegar ao ponto de expressá-la através de uma votação, como outros que condenaram a Rússia, inclusive pelo nome, sem se associarem às sanções, ou como o México, que, para condenar a Rússia, “se juntou” à França e aos Estados Unidos, culpados de invasões armadas em seu território [10].

Como podem ser explicados esses equilíbrios instáveis? É uma questão de hesitação, de um mal-estar generalizado em que nenhum dos estados parece ter desejado dar um cheque em branco absoluto nem a um nem a outro dos dois lados beligerantes? Esses votos que parecem acionar simultaneamente acelerador e freio de mão não revelam o mal-estar coletivo dos países fustigados pelas restrições impostas pelos poderosos deste mundo? Para Bertrand Badie, este comportamento é o de estados modestos “humilhados” pelos “Grandes” [11]. Mas, trata-se disso, de fato, ou somente disso? O ato de equilíbrio e as ambiguidades observadas não têm mais a ver com um espírito de defesa antecipado, diante de um risco de grande destruição de suas economias e de sua autonomia?

A violação do direito internacional por uma grande potência, a Rússia, de fato, devolveu à América Latina a verdade de serem Estados com soberania limitada: nenhum ou poucos meios militares para responder à agressão de uma potência, economias dependentes da demanda externa, desenvolvimento condicionado pela importação de tecnologias, poderes de influência que estão fora de qualquer proporção aos fluxos provenientes dos chamados países “do norte”. Em tal contexto, é óbvio que é preciso medir bem a voz. Recordar o que foi minado, o direito internacional e o multilateralismo, os equalizadores teóricos dos Estados, é um pré-requisito incontornável no contexto atual. É um indicador do horizonte perseguido pelos países que têm sido submetidos a interferências externas desde sua independência. Primeiro dos países em relação ao Reino Unido e aos Europeus, depois aos Estados Unidos. Cuba condenou a invasão, sem nomear o agressor. Honduras pediu o diálogo e as negociações. Esta foi a mensagem, com algumas nuances, de quase todo o subcontinente.

Com esta referência ao direito universal e a sua manutenção, os latino-americanos estavam interessados em preservar os canais concorrentes que os ligavam aos poderosos do mundo. Tudo isso torna possível compreender as reservas e expectativas expressas, mesmo por aqueles mais comprometidos com um ou outro lado. Diz-se que a Colômbia, que está próxima dos Estados Unidos, é solidária com a Ucrânia, mas seus líderes deixaram claro que não enviarão apoio militar. A vizinha Venezuela, por sua vez, apoiou a Rússia. Mas em 2 de março de 2022, não participou da votação que a condenou nas Nações Unidas.

Tomar partido em tempo de guerra pode ter consequências negativas para as economias e as múltiplas relações de um país com o mundo exterior. A fim de evitar o risco de sanções, os latino-americanos optaram por uma cautela verbal. A Argentina, que está em crise financeira, vem fazendo repetidos pedidos de ajuda há vários meses. Seu presidente, Alberto Fernandez, em busca de alternativas junto ao FMI e ao Clube de Paris, foi a Moscou em 3 de fevereiro de 2022. Buenos Aires, com suas limitações, foi lenta para tomar uma decisão. O Brasil ficou numa posição ambígua, condenando um dia, abstendo-se no outro, e seu presidente, Jair Bolsonaro, e seu vice-presidente, Hamilton Mourão, falando em direções opostas. O agronegócio brasileiro precisa de fertilizantes russos, disse o presidente Bolsonaro após uma viagem a Moscou em 15 de fevereiro de 2022. O México, por sua vez, denunciou o agitador, mas manteve os fluxos de ar, comércio e saúde com a Rússia. O México, assim como o Brasil, precisa de fertilizantes russos, disse o presidente Obrador. El Salvador se absteve na ONU, sem dar motivos para sua votação. Seu vice-presidente, Felix Ulloa, falou com seus colegas da América Central e do Caribe em 9 de março de 2022 sobre as medidas que deveriam ser adotadas para amortecer as consequências econômicas de um conflito que ele se recusou a qualificar. Este silêncio talvez visasse não ofender os Estados Unidos, onde vivem centenas de milhares de migrantes salvadorenhos que enviam remessas que representam de 15% a 16% do PIB do país, sem comprometer as perspectivas de cooperação com a Rússia, que deveria tomar forma este ano, por ocasião de uma viagem oficial de seu presidente a Moscou.

Um equilibrismo diplomático em uma negociação assimétrica

Esta reserva latino-americana, manifestada por condenações ponderadas à Rússia, ou mesmo pela recusa de condená-la na ONU, era previsível, dado um passado e uma história de relações desiguais com os Estados Unidos, ou mesmo com a França e a Espanha, de acordo com o México. Especialmente porque seguir o curso diplomático dos EUA não é algo simples e óbvio em si. O presidente de El Salvador, Nayib Bukele, justificou a reticência de seu país da seguinte maneira: “O governo dos EUA nos diz quem é mau e quem é bom, e quando o mau se torna o bom e vice-versa quando o bom se torna o mau” [12]. Este ato de equilíbrio desiludido é o de Estados que têm apenas uma maneira diplomática de proteger sua soberania, e que é barganhar sua assimetria. Cada um dos governos foi confrontado com esta escolha por causa da falta de uma voz regional forte. Os latino-americanos mais influentes, membros do G20 (Argentina, Brasil, México) e do CSNU (Brasil e México), foram diplomaticamente inativos [13], confirmando uma tradição que foi brevemente questionada de 2000 a 2016. A Argentina está fora do jogo diplomático devido a suas divisões políticas e preocupações financeiras. O presidente e o vice-presidente do Brasil fizeram declarações contraditórias que enfraqueceram ainda mais a imagem externa do país. O chefe de Estado mexicano fala muito, mas não consulta muito seus homólogos latino-americanos. Ele não visitou nenhum deles desde que tomou posse em 1 de dezembro de 2018 e, em vez disso, já visitou os Estados Unidos três vezes.

A igualdade entre os Estados declarada pelas instituições internacionais, com a criação da ONU, nunca foi efetivamente aplicada. Os cinco Estados com assento como membros permanentes do CSNU são “mais iguais” que os outros. Os Estados Unidos e seus parceiros da OTAN, historicamente mais influentes nessa região, prestaram uma atenção mínima às vozes da América Latina. A falta de consideração pela América Latina como um ator internacional por parte dos EUA e da Europa é o resultado de uma longa história de relações desiguais. O Alto Representante da União Europeia para Assuntos Estrangeiros e Política de Segurança, Josep Borrell, expressou preocupação com isso em novembro de 2002 [14]. A invasão do Iraque pelos Estados Unidos e pelo Reino Unido foi um grande passo de dissenso internacional. A invasão americana do Iraque, com o apoio da Espanha e de vários países da Europa Central, havia aberto a opção de uma terceira via cumpridora da lei em 2002-2003. Chile e México, junto com a “velha Europa” – Alemanha e França – condenaram os EUA no CSNU. A violação da lei pelos Estados Unidos, França e Reino Unido na Líbia em 2011 minou permanentemente a viabilidade de uma aproximação que se mostrou temporária.

Pressionados por um conflito militarizado com sanções financeiras, econômicas e energéticas, os EUA e a Rússia tomaram tardiamente consciência de suas interconexões com o resto do mundo e, mais especificamente para nossos propósitos aqui, com os países latino-americanos. Rompendo com os anátemas e embargos do passado, os Estados Unidos e seu Presidente Joe Biden, nas voltas e reviravoltas da disputa com a Rússia, voltaram a se envolver com a Venezuela, que havia sido ostracizada por vários anos. Uma delegação de altos funcionários da Casa Branca e do Departamento de Estado visitou Caracas em 5 de março de 2022 [15]. As torneiras dos oleodutos foram fechadas com a Rússia em 8 de março, em nome da liberdade. Elas poderiam ser abertas novamente com a Venezuela, em nome dos interesses dos EUA. Juan Guaidó, o “presidente” extra e não oficial da Venezuela, endossado pelos Estados Unidos em nome das liberdades, e seguido nisso pelos europeus em 2019 [16], é agora brutalmente repudiado. A União Europeia, mais uma vez, foi pega desprevenida por uma decisão norte-americana, que sempre estabelece e segue suas prioridades nacionais. Bruxelas apelou à América Latina e em particular a El Salvador “para defender o direito internacional e o Estado de direito na Ucrânia […] Esperamos […] embora não tenhamos ouvido a voz de El Salvador […] contar com seu apoio”.

A Rússia se deu conta desta mudança de rumo norte-americana em relação à Venezuela, assim como foi confrontada à plasticidade da diplomacia latino-americana, neste caso, a da Venezuela. Em Antalya, Turquia, em 10 de março de 2022, havia duas delegações ao redor da mesa de negociações, uma russa e a outra ucraniana. Mas na sala ao lado, houve uma reunião entre os ministros das Relações Exteriores da Rússia e da Venezuela, que não foi amplamente coberta pela mídia e que provavelmente foi muito franca. A Rússia também está tentando manter suas compras em vários países da América Latina. Seu embaixador em Quito, por exemplo, disse que estava trabalhando com as autoridades locais e associações de produtores para continuar importando bananas equatorianas apesar das sanções. Os Estados Unidos, por sua vez, chamaram o Brasil, a Nicarágua e El Salvador à ordem. Os dois centro-americanos, que se recusaram a condenar a Rússia na ONU, poderiam ser suspensos do CAFTA, o tratado de livre comércio entre os EUA e os países da América Central. O Brasil, no CDH, condenou a Rússia em 4 de março de 2022. Foi parabenizado em 6 de março por Brian Nichols, Secretário Adjunto do Departamento de Estado para o Hemisfério Ocidental.

No final, o acordo poderia ir para a China. A China, que se tornou uma potência militar, assim como uma potência bancária, comercial, econômica, tecnológica, esportiva e acadêmica, nos últimos vinte anos, aproveitou as oportunidades oferecidas pelo mal-estar de uma América Latina que foi tratar como uma residência periférica internacional. A China construiu metodicamente e consistentemente uma influência econômica e diplomática multidirecional, favorecendo iniciativas não letais. Ela tem colhido os benefícios desta terceira via com algum sucesso, articulando diplomacia de influência e cooperação concreta e de longo prazo.

___

Notas

Texto publicado originalmente em francês, em 01 de abril de 2022, na seção ‘Internacional’, no site da Fundação Internacional Jean Jaurès, Paris/França, com o título original “L’Amérique Latine et la crise Russo-Ukrainienne”. Disponível aqui. Tradução de Jeniffer Aparecida Pereira da Silva e Luzmara Curcino.

[1] O conceito foi “inventado” em 1845 pelo jornalista John L. O’ Sullivan, às vésperas da anexação pelos Estados Unidos de metade do território mexicano.

[2] Ver sobre este assunto o livro de Jean Jacques Kourliandsky. América Latina: insubordinações emergentes. Paris, Fondation Jean-Jaurès, 2014.

[3] Expressão que comumente designa na França os países membros da Aliança Atlântica e seus parceiros asiáticos.

[4] Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, Guatemala, Haiti, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana e Venezuela (representado por um enviado do oponente Juan Guaidó).

[5] Bielorrússia, Eritreia, Federação Russa, República Democrática da Coreia, Síria.

[6] Conselho de Segurança, Cobertura das Reuniões, 8979ª reunião da tarde, CS/14808, 25 de fevereiro de 2022.

[7] Votos favoráveis ​​da Argentina, Brasil, Honduras, México, Paraguai. ONU Genebra (/FR), “Através de uma resolução sobre a situação dos direitos humanos na Ucrânia resultante da agressão russa, o Conselho decide estabelecer urgentemente uma comissão de inquérito independente”, 4 de março de 2022.

[8] Abstenção da Bolívia, Cuba e Venezuela.

[9] Tweet de Evo Morales citado pelo diário La Razón, La Paz, 2 de março de 2022.

[10] Resumo da intervenção do representante mexicano no CSNU;

[11] Bertrand Badie. O tempo dos humilhados, patologia das relações internacionais. Paris: Odile Jacob, 2014.

[12] La prensa gráfica, San Salvador, 9 de março de 2022.

[13] Mélanie Albaret, Middle Powers in the International Game, Brasil e México nas Nações Unidas, Paris, Presses de Sciences Po, 2014.

[14] Josep Borrell, «Borrell ganha com a promoção das relações com a América Latina: agora eles não estão no radar», El Pais, Madrid, 1 de novembro de 2021.

[15] Juan Gonzalez, assessor do presidente Biden para a América Latina, James Story, embaixador, Roger Carstens, enviado especial para a questão dos reféns.

[16] Jean Jacques Kourliandsky. Venezuela: uma crise internacional em trompe l’oeil. Diplomacia: Arquivos principais, n°54, dezembro 2019-janeiro 2020.

***

Jean-Jacques Kourliandsky É diretor do Observatório da América Latina junto ao IRIS – Instituto de Relações Internacionais e Estratégicas, com sede em Paris, e responsável pela cobertura e análise conjuntural geopolítica da América Latina e Caribe. É formado em Ciências Políticas pelo Instituto de Estudos Políticos de Bordeaux e Doutor em História Contemporânea pela Universidade de Bordeaux III. Atua como observador internacional junto às fundações Friedrich Ebert e Jean Jaurès. É autor, entre outros, do livro “Amérique Latine: Insubordinations émergentes” (2014), e colabora frequentemente com o Observatório da Imprensa, em parceria com o LABOR – Laboratório de Estudos do Discurso e com o LIRE – Laboratório de Estudos da Leitura, ambos da UFSCar – Universidade Federal de São Carlos.