Thursday, 20 de June de 2024 ISSN 1519-7670 - Ano 24 - nº 1292

Mais um mea-culpa

MONITOR DA IMPRENSA

SUN-SENTINEL

Sabe-se quando o jornal está num dia ruim quando as correções aparecem na primeira página e ocupam 400 palavras ? mais de um terço do tamanho da matéria que está sendo corrigida. E o desastre é ainda maior quando o editor é forçado a pedir desculpas ao personagem da matéria ? o principal promotor público do condado.

Foi o que ocorreu ao South Florida Sun-Sentinel, que lamentou "profundamente" a publicação de uma reportagem dizendo que os promotores públicos locais dão continuidade a casos de assassinato prejudicados por provas ruins. Randy Dotinga [Editor & Publisher, 16/3/01] diz que a matéria, publicada no dia 3 de março, apoiava investigações independentes de casos de assassinato ocorridos no condado de Broward nas últimas duas décadas, promovidas pelo procurador Barry Scheck e advogados do chamado "corredor da morte".

O jornal, cuja sede fica em Fort Lauderdale, Flórida, disse que encontrou nove casos de pessoas libertadas devido a "provas e confissões prejudicadas". Uma semana depois, o Sun-Sentinel pediu desculpas e publicou uma lista de erros e omissões. Numa barra lateral, sobre a reação do procurador do estado Mike Satz à matéria original, o editor Earl Maucker disse que "não há dúvida de que muito do que foi publicado estava fora de contexto e apresentava erros factuais".

Mesmo assim, "alguns procuradores querem ir além, legal e eticamente", disse Ron Ishoy, porta-voz do escritório de Satz.

CUBA

Em setembro, o Observatório da Imprensa publicou comentários sobre a licença que alguns jornais americanos obtiveram do governo cubano para abrir sucursais em Havana [veja remissões abaixo]. Um deles, de acordo com artigo de Bob Whitby [New Times, 22/3/01] foi o South Florida Sun-Sentinel. A permissão para atuar em Cuba é uma grande conquista reservada a poucos jornais americanos. E o gostinho da vitória é ainda maior para o Sun-Sentinel, pois seu maior concorrente, o Miami Herald, não tem a menor chance de chegar lá.

Em janeiro, o Sun-Sentinel instalou em Havana Vanessa Bauza, uma repórter jovem, sem experiência e formada em Yale. Earl Maucker, editor do jornal, deu longa aula de jornalismo num editorial para marcar a ocasião. O discurso defendia honestidade e equilíbrio. "Nossa proposta em Cuba não será fazer amigos ou inimigos, mas exercitar nosso julgamento como imprensa livre e independente", disse.

Até agora, apenas 11 matérias foram publicadas. Todas muito comportadas, sem sangue, lisas. As mais ousadas incluem uma denúncia sobre a falta de acesso à internet em Cuba, um relato da tristeza nos centros habitacionais e uma reportagem sobre poetas aprovados pelo governo, que aparecem aqui e ali em Havana. "Não acho que repórteres do Sun-Sentinel deveriam estar lá, a não ser que tivessem a coragem de mostrar os dissidentes", afirma Jaime Suchlicki, diretor do Instituto para Estudos Cubanos e Cubano-Americanos da Universidade de Miami.

Alina Lambiet, editora de internacional, nacional e governo do Sun-Sentinel, diz que é muito cedo para um julgamento. "Estamos apenas começando, ainda não pegamos no tranco." Isto porque o governo cubano oferece pouca informação relevante, boas fontes são sagradas em Cuba e, segundo Lambiet, isso leva tempo para formar. Ela garante que haverá cobertura da dissidência.

Leia também

Mais perto do Tio Sam

Com as graças de Fidel (rolar página)

Volta ao índice

Monitor da Imprensa ? próximo texto

Monitor da Imprensa ? texto anterior

Mande-nos seu comentário