Sunday, 03 de July de 2022 ISSN 1519-7670 - Ano 22 - nº 1194

Artigos de Afonso Caramano




Como morre um jornal local?

Se para os grandes veículos de comunicação é um desafio permanente fazer um bom jornalismo e manter o equilíbrio econômico-financeiro diante do impacto das transformações tecnológicas que afetam os processos de produção e difusão da notícia, para os jornais locais esse desafio é ainda maior. Os efeitos desse cenário de convergência midiática e de crise […]


As bases econômicas da política educacional no Brasil

A entrevista com o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, no caderno Mercado (não por acaso) da Folha de S.Paulo de 28/11/2015 [disponível em http://goo.gl/P953do], revela algumas contradições, além de aspectos bastante sensíveis sobre o entendimento dos problemas que afetam a qualidade da educação no país, com a consequente limitação (segundo análises de economistas) a um […]


A narrativa do estranhamento contra a banalização da violência

O conceito de estranhamento (ostraniene), elaborado pelo crítico literário russo Viktor Chklovski (1893-1984), relaciona-se a um efeito de distanciamento do modo comum, capaz de romper com a percepção automatizada do cotidiano, levando a uma nova configuração de percepções, de entendimentos, que no processo da arte seria o de singularização dos objetos, cuja finalidade é dar […]


Os bons e os maus policiais

A edição de 21/09/2015 do Jornal Nacional, da Rede Globo, foi encerrada com uma reportagem um tanto “pitoresca”, com forte apelo à emoção do telespectador, “uma história bonita”, segundo a âncora do telejornal, “que fica ainda mais doce contada pela própria aniversariante” – no caso, uma garotinha de oito anos, moradora do morro São Bento, […]


A estratégia da precisão falaciosa

O recorte quase cirúrgico da reportagem exibida pelo telejornal Bom Dia, São Paulo em 28/08/2015 [http://goo.gl/ZIW2Nt], sobre o cancelamento de cirurgias de catarata por falta de verbas no Hospital das Clínicas de São Paulo, não remete, propriamente, à precisão jornalística – não que tenha sido malfeita e leviana ou que não tenha seguido os pressupostos […]


Um terreno escorregadio

Se na guerra a primeira vítima é a verdade, no campo político não tem sido diferente. Avançar nesse território, de embates e contradições, significa mais que fincar trincheiras ou vencer pequenas batalhas – e não é por acaso que a linguagem bélica contamina o noticiário político – significa subjugar o inimigo e conquistar o seu […]


Educação e a violência exemplar

Pressupõe-se que um dos resultados (ou instrumento) do processo civilizatório seria a capacidade de dialogar – fechada essa porta, haveria o recurso dos protestos (civilizadamente pacíficos?) e a necessidade da intermediação de agentes capazes e constituídos para tanto, quaisquer que sejam as demandas.


USP: ao gosto dos números

Números corroboram fatos – servem tanto ao gosto do jornalismo econômico quanto ao dos discursos políticos, traduzindo a realidade em percentuais, na expressão que se quer verídica da exatidão matemática. Há, no entanto, uma margem que se abre à possibilidade de leituras várias e interpretações. Números são manipuláveis, às vezes torcidos e espremidos até que […]


Um painel jornalístico

Não tem faltado material à cobertura jornalística da 20ª edição do Campeonato Mundial de Futebol, da Fifa, no Brasil – os prognósticos catastróficos não se confirmaram, e o espetáculo com a bola em campo rendeu até os mais empedernidos críticos (afinal, torcemos pelo Brasil e pela nossa seleção), contaminando a (quase) todos com o clima […]


A classe C: consumo, culpa e inadimplência

O senso comum diz que aquele que nunca comeu melado se lambuza quando come – e esta parece ser a tônica em reportagens que trazem dados de pesquisas sobre os hábitos de consumo e anseios da chamada classe C, principalmente quando se trata de endividamento ou inadimplência. E a explicação mais recorrente para tal endividamento […]


Era para rir?

Vivemos tempos bicudos, por assim dizer. Talvez de sutilezas nada sutis, quando não estão mais para espertezas. E muitas vezes é preciso explicar a piada, mesmo a ironia, quando se está sendo irônico. A fronteira entre o tolerável e o mau gosto parece bem maleável para quem faz do humor uma arma, menos para dizer […]


Educação e trabalho

Dizem que para bom entendedor meia palavra basta, que seja um pingo, tornado letra – sutilezas do senso comum, astúcia de editores ou simples paranoia em tempos de tensão pré-eleitoral? Os noticiários televisivos que o digam. Aliás, nem precisam, pois já o fazem de modo velado e nada ingênuo, a fim de tanger o gado […]


As faces do Facebook

Parece fácil amar no Facebook – assim como é fácil odiar e invejar, tênues fronteiras de um território movediço, o dos sentimentos humanos. Talvez por essa razão não faltem exemplos de equívocos e de mau uso das facilidades tecnológicas (ou do anonimato) nas redes sociais. E se é verdade que a virtualidade nos aproxima, também […]


Um produto a serviço dos produtores

Se há vida inteligente no jornalismo, parece não estar na redação do Jornal da Band, pelo menos não a serviço de um jornalismo com o mínimo de imparcialidade e propenso à prestação de serviço público. Assumir posicionamentos claros, embora muitas empresas midiáticas prefiram escamotear suas preferências ideológicas, é salutar para um jornalismo menos contaminado pelos […]


O padrão Globo e o adestramento para a cidadania

Somos o país do futebol – e adoramos uma polêmica. Craques, no vasto campo do senso comum, driblamos qualquer assunto, prontos a uma opinião formada sobre quase tudo. E as mídias sociais estão aí para comprovar como somos prolíferos também no escracho e no enxovalho. E para ficar na seara dos ditados populares (ou na […]


Da farsa ao voto

A carência está para a promessa assim como a política está para a farsa, no que aquela traz de teatral em proximidade com o característico gênero burlesco – basta uma olhadela no horário eleitoral gratuito para entender o porquê. Tende, portanto, ao simulacro, com a criação de uma imagem claramente forjada pelas técnicas e artifícios […]


Das (i)licitações públicas

De algumas coisas, todos têm conhecimento, ou ao menos intuem ou presumem, se bem que perante a lei a presunção primeira é a da inocência, até que se prove o contrário, embora a prática, em tempos midiáticos, pareça ser a de se acusar e enxovalhar reputações (nem sempre tão reputáveis assim) e deixar que o […]